• Banner: Comercio de Ambulantes
  • Banner: Oficinas de Drenagem Urbana
  • Banner: Confira a Nova Nota Fiscal Eletrônica
  • Banner: Portal da Transparência
  • Banner: Plano Diretor
  • Banner: 2° VIA IPTU DIGITAL
  • Banner: Creche Inscrições
11/10/2017 - SME - Educação
Vencedores do Professor Nota 10 serão premiados nesta segunda-feira
Solenidade ocorrerá na Câmara de Vereadores de Florianópolis

foto/divulgação: SME

Projeto \'Do rei do fogo ao rei do samba\', da Creche Morro da Queimada

Uma viagem ao Egito para conhecer múmias e pirâmides, um estudo sobre a cultura africana e afro-brasileira. A vida das tartarugas e situações de invisibilidade no cotidiano de Florianópolis. Um trabalho de inclusão numa turma que possui uma criança com deficiência múltipla e a promoção da cultura de paz.  Todos esses assuntos são vencedores da VI Edição do Professor Nota 10, da Prefeitura de Florianópolis, por intermédio da Secretaria Municipal de Educação.

 

A premiação ocorrerá na próxima segunda-feira, dia 16, em solenidade na Câmara de Vereadores. Em sessão ordinária, às 16 horas, os seis docentes que tiveram seus trabalhos selecionados receberão medalha e diploma. Numa parceria com o legislativo municipal, o prêmio visa reconhecer e dar visibilidade aos profissionais do magistério que realizam experiências pedagógicas com destaque em ações inovadoras, criativas e transformadoras.

 

Dos seis projetos, dois são da educação infantil, dois da educação fundamental, um da EJA (Educação de Jovens, Adultos e Idosos) e um da modalidade de educação especial.

 

As professoras vencedoras foram Sirlei de Oliveira e Vera Lúcia Rezende Beux Ronsani, ambas da Creche Franklin Cascaes (Ponta das Canas); Márcia Theodorico Mezzomo, da Creche Morro da Queimada (José Mendes); Rosângela Martins dos Santos, da Escola Henrique Veras (Lagoa da Conceição); Jaqueline de Souza Matta Adão, da Escola Adotiva Liberato Valentim (Costeira do Pirajubaé); e Janete Elenice Jorge, do Núcleo EJA Sul I (Costeira do Pirajubaé).

 

Para o secretário de Educação da Capital, todos são trabalhos diferentes e criativos, que permitem de forma simples e empolgante que o ensino e aprendizagem ocorram com qualidade. “Todos os profissionais estão de parabéns”, coloca Maurício Fernandes Pereira.

 

 

Conhecendo o Antigo Egito

 

 

O projeto “Entre múmias e pirâmides: pequenos aventureiros realizando uma fascinante expedição ao passado, através do sarcófago de Tutancâmon” foi desenvolvido pela professora Sirlei de Oliveira na Creche Municipal Franklin Cascaes, localizada no bairro Ponta das Canas, com crianças de 5 anos. Teve como objetivo despertar nos pequenos o interesse em conhecer a cultura do Antigo Egito e o modo de vida deste povo, naquele período histórico.

 

“A ideia do projeto se originou na intenção de interligar situações de brincadeiras que nós, professoras, estávamos observando no grupo, como as escavações, a fim de encontrar alguma coisa interessante ou até mesmo um tesouro enterrado no parque e a fantasia em brincar de pega-pega, como se fossem zumbis”, conta Sirlei. Esses dois focos de observação direcionaram as mediações, provocando nas crianças a curiosidade de investigar uma cultura, trazendo em sua história a descoberta de um povo que deixou registrado sua existência entre blocos de terra.

 

 

Educação e inclusão

 

 

Também na Creche Municipal Franklin Cascaes, a professora auxiliar de Educação Especial Vera Lúcia Rezende Beux Ronsani realizou o projeto “Somos todos diferentes”, com crianças de 4 a 5 anos de idade. Nesse grupo havia uma criança com deficiência múltipla (física/intelectual) que necessitava do acompanhamento de uma professora auxiliar da educação especial para o desenvolvimento de autonomia e independência nas atividades de vida diária de locomoção, alimentação e higiene pessoal.

 

“Percebendo a curiosidade natural que os colegas tinham com a situação da estudante, encontrei um cenário favorável para planejar um projeto de inclusão escolar”, explica Vera Lúcia. O projeto contemplou contação de histórias, dramatização, representação, vivências, exposições de materiais adaptados e de acessibilidade, além da visita de uma professora surda que introduziu a Língua Brasileira de Sinais para a criançada.

 

 

Mãe África

 


A professora Márcia Theodorico Mezzomo criou, com crianças de 4 anos da Creche Morro da Queimada,  no bairro José Mendes, o projeto "Do rei do fogo ao rei do samba: rainha e rei da África sou eu". O objetivo foi promover ações de reconhecimento da cultura africana e afro-brasileira, mostrando sua importância na construção das sociedades contemporâneas.

 

As atividades valorizaram e apresentaram personagens negros em diferentes funções sociais dentro da comunidade, além de identificar e reconhecer a herança africana presente em nosso cotidiano, como em brincadeiras, palavras, comidas, danças e história, e de desenvolver nas crianças uma consciência crítica que possibilite atitudes positivas em relação ao tema proposto.

 

 

Cultura da paz

 


O projeto “Um movimento pela paz” vem da Escola Básica Municipal Henrique Veras, na Lagoa da Conceição, coordenado pela professora Rosângela Martins dos Santos. Os quintos anos, matutino e vespertino, foram as turmas envolvidas no processo. O objetivo foi fortalecer nos educandos valores relativos à paz através de experiências significativas dentro da atividade física da dança, motivando os alunos ao resgate de valores importantes para a formação de suas capacidades morais, intelectuais e sociais.

 

“A ideia de realizar esse projeto com meus alunos surgiu da necessidade de valorizar e incentivar a cultura de paz dentro do ambiente escolar”, relata a professora Rosângela. Assim, os estudantes refletiram sobre a importância dos valores que orientam o exercício da cidadania na sociedade, por meio de ações que promovem solidariedade e cooperação.

 

 

Invisíveis

 


A coordenadora e professora do Núcleo EJA Sul I, localizado na Escola Básica Municipal Anísio Teixeira, na Costeira do Pirajubaé, Janete Elenice Jorge é responsável pelo “Invisíveis”.  A ação pedagógica trabalhou a invisibilidade a partir de “Domésticas”, dirigido por Fernando Meirelles e Nando Orival, que aborda o universo dessas trabalhadoras.

 

Os estudantes promoveram um debate profundo sobre o tema e indicaram situações de invisibilidade no filme. Fizeram produções escritas a respeito de “quando e onde me sinto invisível” e “quando invisibilizo pessoas”. Mapearam locais de invisibilidade na cidade e criaram cenas que representavam essas situações para serem fotografadas. Essas fotos, então, foram disponibilizadas em uma exposição para informar e conscientizar para ações de combate à discriminação social.

 

 

Amigo réptil

 

 

Na Escola Básica Municipal Adotiva Liberato Valentim, na Costeira do Pirajubaé, a professora Jaqueline de Souza Matta Adão foi a responsável pelo projeto “Vida de tartaruga”. O trabalho foi feito com 25 crianças de seis e sete anos do 1º ano.

 

“Percebendo um grande interesse da turma em relação aos animais, levei para sala de aula um livro de literatura infantil. Como já era esperado, as crianças ficaram encantadas”, explica Jaqueline. Assim, os pequenos se interessaram em estudar bichos, especialmente a tartaruga. Depois de uma votação, decidiram que o bichinho seria o tema do projeto.

 

A partir daí, a atividade pedagógica contemplou as etapas de levantamento de hipóteses, observação, saídas de estudo, como uma visita ao Projeto Tamar, pesquisa e registros das crianças que foram apresentados na feira de ciências da escola.

 

 

Serviço


O quê: premiação do Professor Nota 10

Quando: segunda-feira, dia 16/10

Horário: 16h

Local: Câmara de Vereadores de Florianópolis

Endereço: Rua Anita Garibaldi, 35, Centro


galeria de imagens



Copyright © 2009-2017 Prefeitura de Florianópolis. Todos os direitos reservados.