'>
08/02/2010 - COMCAP - Meio Ambiente
Abordagem artística para diminuir lixo nas praias de Florianópolis
Personagens Chico e Bento, pescadores manezinhos prejudicados com a poluição que faz surgir a espécie 'peixe plasco' nos mares, agora também com Dona Tainha, retomam agenda de sensibilização na orla.

Dona Tainha e a paródia Gire e Grite de Denise Boppre

A Prefeitura Municipal de Florianópolis, por meio da Comcap e da Floram, retomou nesta terça (9), às 9h, no Jurerê Internacional, o trabalho de sensibilização do veranista com intervenções artísticas nas praias. Este ano, além da dupla de pescadores Chico e Bento, personagens de sotaque manezinho criadas e interpretadas por Valdinei Marques e Sayonara de Castilhos Amaral que denuncia a existência de grandes cardumes de “peixe plasco” nos oceanos em razão da má destinação do lixo, estreia Dona Tainha, representada por Joseane Rosa, com atividades lúdicas para as crianças como a confecção de máscaras de papel em motivos marinhos.

De acordo com o presidente da Comcap, Ronaldo Freire, a atividade da Divisão de Educação Ambiental da Comcap, vinculada ao Departamento Técnico, tem o objetivo de sensibilizar o veranista para os impactos ambientais e os riscos à saúde pública provocados pelo descarte inadequado de lixo.

“A Comcap se esforça, mas a limpeza da cidade depende muito da colaboração das pessoas. É feio jogar lixo no chão, na praia, em qualquer lugar. Uma bituca de cigarro deixada na areia vai ficar ali por cinco anos se ninguém da Comcap for recolhê-la”, comenta Freire, preocupado com o microlixo da orla. Só na semana passada, foram usados 7 mil sacos de lixo pelos auxiliares operacionais que fazem a limpeza das praias. A cada dia são retiradas em média 51 toneladas de lixo das praias de Florianópolis.

“O problema é que, enquanto a maioria usa a lixeira, há uma minoria que deixa um papelzinho, um palito de picolé, uma ponta de cigarro, e isso prejudica a qualidade da areia. Queremos demonstrar, também por meio de atividades artísticas, quanto pode ser constrangedor e prejudicial jogar lixo em local inadequado”, aponta o presidente.

Os esquetes serão apresentados conforme agenda abaixo, entre às 9h e 11h. Durante o período, os educadores ambientais percorrem a orla, fazendo abordagens diretas aos frequentadores. No Jurerê Internacional, único dos balneários da Ilha de SC a participar do programa Bandeira Azul, a programação será repetida, nos dias 9 e 23, e com apoio da Habitasul contará com um estande para as atividades de Dona Tainha com as crianças.

Fevereiro

  • 9, terça – Jurerê Internacional
  • 10, quarta – Daniela
  • 12, sexta – Canasvieiras
  • 18, quinta – Barra da Lagoa
  • 19, sexta – Ingleses
  • 23, terça – Jurerê Internacional
  • 24, quarta – Joaquina
  • 26, sexta – Mole

Março

  • 2, terça – Campeche
  • 4, quinta – Ponta das Canas
  • 9, terça – Ilha do Campeche

Chico e Bento

Caracterizados pelo linguajar do manezinho, Chico e Bento abordam os frequentadores das praias informando e alertando para a necessidade de produzir menos lixo e de destiná-lo adequadamente. O plástico, material que pode levar até 450 anos para se degradar, deve ser reciclado, indicam, sob pena de causar sérios danos à biota marinha.

“Com a poluição, só dá peixe plasco no mar”, exageram os educadores ambientais Valdinei Marques e Sayonara de Castilhos Amaral, mostrando novas e exóticas ‘espécies’ como peichinelo, o berbitampa ou peixelé.

Dona Tainha e seus amigos

O lixo jogado na praia além de deixar a orla com aspecto sujo e mal cuidado, observa a educadora ambiental da Comcap Joseane Rosa, se torna um grande problema a animais marinhos como tartarugas e golfinhos que confudem pedaços de plásticos com alimentos e acabam morrendo sufocados. No estande, organizado em parceria com a coordenadora cultural da Habitasul, Salete Pereira, a Dona Tainha distribuirá máscaras em forma de animais marinhos e lápis para que as crianças possam colorir o material enquanto recebem informações sobre a destinação de resíduos sólidos. No espaço, também haverá a apresentação de paródia feita por Denise Boppre, cantada por Ricardo da Conceição e Joseane Rosa. E exposição de brinquedos feitos com materiais recicláveis e que fazem parte do acervo do Museu do Lixo da Comcap.

Gire e Grite

Letra: Denise Boppre

Paródia da música: Twist and shout – The Beatles

Backing vocals: Joseane Neli Alexandre Rosa (Dona Tainha)

Violão e voz: Ricardo da Conceição

A dona Tartaruga? (Tartaruga)

Quer falar? (quer falar)

Que o mar está poluído (poluído)

E isso tem que mudar (tem que mudar)

Ah, Ah, Ah, Ah

E olhem para a baleia (para baleia)

Gente pensando em matar (em matar)

Golfinhos engolem sacolas (as sacolas)

Que voam e bóiam no mar

Mar, ar, ar, ar

Siri está gritando (está gritando)

Ninguém consegue escutar (escutar)

O camarão ajudando (ajudando)

É hora de reciclar! (reciclar)

Ah, ah, ah, ah

Palito de picolé (picolé)

Poluição na areia (na areia)

Estraga toda beleza (a beleza)

É o grito da natureza (natureza)

Ah, ah, ah, ah